segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

"Arrebatada" - Ady Cavalcante

Crespos os pêlos
Do seu peito
Emaranham-se, rebeldes
Aos meus cabelos
Doce sua saliva
E que desperta
A rubra flor
Rosa entreaberta
Doce cheiro de mar
Que inebria
Dia e noite
Noite e dia
Férreas mãos
Se ferro fere
Feneço, ferida
Sem reclamar
Calo meu peito
- É meu direito –
Não de pudor ou medo
Mas porque seu beijo
Me arrebata o ar.

4 comentários:

Ramon Alcântara disse...

Essa Ady revela mui bem as horas em que os sujeitos não pensam mais..... abzzz

meire disse...

Como disse antes, é de tirar o fôlego. E nós, pobres mortais, nos curvamos. Seu talento, esse sim é arrebatador.
beijao

José Rosa (ZeRo S/A) disse...

Arrebatador...belo poema.

Roy Andrade disse...

Arrebata-se...embebeda-se de prazer...o prazer da pura percepção...e nada de correr na contra-mão ...lindas palavras, Ady...grande poema.